menu
Notícias / Cultura

Escritora rondinhense recebe Prêmio na Bienal Internacional do Livro no RJ



Data de publicação: 3 de outubro de 2023
Hora: 08:40h



O papel da uva é historicamente relevante e ainda deixa marcas significativas na caminhada diária dos gaúchos. Agora chegou a vez de ocupar um lugar de destaque em obra infantojuvenil de uma escritora gaúcha.

 

Segundo a autora, Eliane Tonello, a história de Layla nasceu sob as videiras da família com que conviveu desde a infância e parte da juventude. A primeira publicação infantojuvenil quadrilíngue pediu para nascer em meio ao medo e às incertezas no tempo pandêmico que ocorria a nível mundial. Eliane desde lá tem o propósito de levar esperança e o sonhar às crianças, aos jovens, aos adultos e adultos maduros.

 

A obra Layla e a uva nasceu nos idiomas português, italiano, espanhol e inglês, e, recentemente, foi lançada uma segunda edição para colorir, nos idiomas, português, hebraico, francês e alemão. A inovação está em que, além dos quatro idiomas na mesma obra, há o convite especial para o pequeno leitor explorar ao máximo sua criatividade e assim sonhar junto com a personagem, contribuindo com seu próprio colorido.

 

O ineditismo da obra infantojuvenil quadrilíngue contribuiu para que fossem concedidos, na Bienal, troféu e certificado relativos ao "Prêmio Obra Quadrilíngue Infantojuvenil 2023". Tal premiação certamente permitirá uma maior visibilidade e reconhecimento da obra dentro da literatura infantojuvenil nacional e internacional.







O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.