menu
Notícias / Saúde

Passo Fundo - Pet Terapia retoma atividades no HSVP



Data de publicação: 7 de outubro de 2022
Hora: 08:08h
Créditos: Flávia Dias
Fotos: Flávia Dias
Fonte: Comunicação HSVP



Ações acontecem em parceria com a UPF

 

O encontro de duas Alices mudou a rotina de uma quarta-feira no Hospital São Vicente de Paulo de Passo Fundo. De um lado, a pequena Alice, de quatro anos, internada há duas semanas após passar por uma cirurgia para tratar um câncer no rim. De outro lado, a pet Alice. Com seis anos, a cachorra da raça Bernese tem 51 quilos e já possui um trabalho: ser pet terapeuta. Os nomes iguais foram uma coincidência que tornou o momento ainda mais especial, contagiando quem passava pelo local reservado para a sessão de terapia. 

A ação, realizada pela Residência Multiprofissional do HSVP/UPF/Prefeitura de Passo Fundo e pela Residência Profissional Integrada em Medicina Veterinária da UPF, existe desde 2016 e retomou recentemente após uma pausa durante a pandemia. “Nosso principal propósito é trazer um gesto de amor e empatia para os pacientes internados. Eles estão longe de casa, e o pet terapeuta acaba trazendo um pouco da vivência caseira, fazendo com que eles esqueçam que estão dentro de um hospital”, contou a coordenadora do projeto, a professora de medicina veterinária da UPF, Michelli Ataide. 

Os animais selecionados para participarem da terapia passam por exames e precisam preencher alguns requisitos. Depois disso, eles são aguardados ansiosamente pelos pacientes do HSVP, selecionados a partir das condições clínicas individuais. “Os pacientes são acompanhados o tempo todo pelos residentes. É muito interessante porque no hospital, eles acabam ficando apenas no quarto, e isso muda a rotina deles. Gera uma expectativa e, sem dúvidas, contribui com o bem-estar”, ressaltou o coordenador da Residência Multiprofissional do HSVP, Douglas Pegoraro. 

Na primeira sessão de retorno da Pet Terapia, a Bernese Alice atendeu duas pacientes. A mãe da paciente Alice, Pamola Tonin, acompanhou de perto a atividade: “a gente fica muito feliz, porque ela está se sentindo como se fosse em casa… Brincando com um cachorro, na grama. Ela se sente em casa e, consequentemente, se sente bem. Vendo ela feliz, não tem como não ficar feliz também”.

 







O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.